Tel. +55 (11) 2676 9600 | sales-brazil@turck.com

Identificação do carregador da peça na produção de Ventilação Traseira para BMW

O fornecedor automotivo EuWe identifica os porta-peças de trabalho nas ilhas de fabricação de uma máquina de produção para aberturas traseiras com o sistema BL ident RFID da Turck

Processos de produção ligados em máquinas especiais têm desvantagens: uma parada em uma estação resulta quase que imediatamente no desligamento de toda a máquina. Áreas de reserva inteligentes podem assegurar um fluxo contínuo de produção, mas na maior parte das vezes só podem ser implementadas eficazmente com a identificação das peças de trabalho. O fornecedor automotivo EuWe Eugen Wexler GmbH & Co. KG implementou isso em uma nova planta de produção, para sistemas de ventilação traseira - com o sistema BL ident RFID da Turck.

  • Para a EuWe, o design retangular compacto é um benefício decisivo da cabeça de leitura / escrita Turck

  • A vista de baixo mostra a tag montada no centro e as quatro aberturas de ventilação traseiras

  • O gateway BL20 no painel de controle traz os dados RFID via Profinet para o controlador

  • A cabeça de leitura / escrita está montada no meio da fixação do suporte

Ventilação traseira para BMW

A empresa EuWe começou em 2014 a expandir a produção existente com outra máquina especial para a fabricação de ventilação traseira para a BMW. O sistema foi chamado ilha de fabricação, uma vez que consiste em vários grupos de fabricações individuais. Uma máquina de moldagem por injeção, para produzir as peças brutas, está localizada no início do processo. Uma correia que transporta as peças para a soldagem, onde as abas são fixadas ao produto semiacabado. Uma câmera na estação seguinte verifica se há falhas na soldagem, enquanto na última etapa do processo, um robô aplica espuma de vedação. Uma câmera com iluminação especial no braço do robô verifica a forma, consistência e volume da espuma de vedação.

Desvantagens de sistemas interligados

A questão também foi levantada quanto ao método mais adequado para identificar os porta-peças no processo. O técnico de automação Robert Ullmann já havia adquirido experiência na identificação de porta-peças em uma fábrica existente. Na planta anterior, a EuWe tinha implementado um sistema interligado usando sensores de proximidade convencionais. Contudo, a cadeia de porta-peças não podia ser interrompida. Essa foi a maior desvantagem dos sistemas interligados. Uma seção reserva que pode compensar atrasos no processo não é possível. Devido a essa experiência, Ullmann também recomendou a implementação de um sistema de identificação RFID no porta-peças.

Design compacto simplifica a montagem

"Nós verificamos outro fornecedor de RFID além da Turck. No entanto, este fornecedor tinha apenas cabeças de leitura / escrita RFID em um design cilíndrico em sua linha", Ullmann descreve uma das razões para escolher Turck. EuWe usa uma cabeça de leitura/escrita retangular TN-Q14-0.15-RS4.47T, que pode ser montada facilmente no meio nas ilhas de produção. A tag circular TW-R50-B128 foi montada centralmente no suporte de material.

Integração simples no controlador

"A integração do sistema RFID Turck no controlador foi muito fácil. Não precisamos integrar blocos de programas especiais no software do PLC para traduzir a linguagem do RFID para o controlador. Eu poderia operar a interface do controlador diretamente. A informação é simplesmente escrita para a saída do PLC", Ullmann elogia a integração do BL ident RFID Turck no controlador Siemens S7.

O sistema RFID identifica cada porta-peças no processo oito vezes. O PLC escreve passos de processamento defeituosos para uma base de dados que liga a entrada com o suporte da peça correspondente e a posição da ventilação traseira na transportadora. Os dados chegam ao controlador S7 via gateway multiprotocolo BL20 da Turck, em Profinet.

Select Country

Turck worldwide